VISITA ÀS RUÍNAS DE IGUAÇU VELHA
Vila de Iguaçu-década de 1970-acervo do Arquivo Histórico da Diocese de Nova Iguaçu


Uma comitiva comandada pela Prefeita de Nova Iguaçu, Sheila Gama, e contando também com a presença dos integrantes do AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL (Edson Ribeiro, Antônio Lacerda, Victor Antunes e Paulo Clarindo), visitou no dia 29 de dezembro último o Sítio Histórico e Arqueológico da Extinta Vila de Iguassu, tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural - INEPAC. Também estiveram presentes à ocasião, além de secretários municipais, os jornalistas Gabriel Barbosa e Egeu Laus, a bibliotecária Malena Xavier, Marcelo Reis, Rafael Azevedo (INEPAC e IPHAN), entre outros.

A visita teve o propósito do reconhecimento do local visando a instalação de toda a infra-estrutura para a realização da cerimônia de comemoração dos 178 anos de Nova Iguaçu, além de levar a Iguaçu Velha um chefe do Poder Executivo municipal pela primeira vez interessado na história e no patrimônio iguaçuanos.
Cemitério de Iguassu(1875)-www.paroquianossasenhoradaconceicaotingua.blogspot

O AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL recebe com bons olhos a iniciativa da Prefeita Sheila Gama em comemorar o aniversário da cidade no seu próprio berço e espera que este sirva de pontapé inicial para a implantação de uma política verdadeiramente autêntica de valorização, revitalização, resgate e salvaguarda do precioso patrimônio histórico iguaçuano. Além disto, é da intenção da Senhora Prefeita levar às escolas municipais a proposta de inclusão da história do município no curículo escolar, além de incentivar os estudantes a visitarem o berço da Cidade de Nova Iguaçu - Iguaçu Velha. O pedido que já havíamos formalizado há algum tempo ao Poder Executivo municipal é de que este tome para si a responsabilidade pela salvaguarda daquele importantíssimo sítio histórico e arqueológico, evitando-se a perda irreparável dos últimos testemunhos da ocupação local.
Comendador Francisco José Soares. Oléo sobre tela, Rocha Fragoso, 1871

Vale lembrar que Iguassu fora considerada pela Presidência da Província do Rio de Janeiro como sendo "a mais próspera das vilas fluminenses", tamanha a importância que adquiriu na primeira metade do século XIX. Com a sua economia impulsionada pela revenda e transporte do café, principalmente, e o embarque de produtos diversos, telhas e madeiras, aliada à presença de homens influentes (o Comendador Francisco José Soares foi um dos seus principais personagens. Ocupou por três vezes a Presidência da Câmara Municipal), tornou possível a transformação da então Freguesia de Nossa Senhora da Piedade de Iguassu na Vila de Iguassu, aos 15 de janeiro de 1833. Este é só um aperitivo do que a História de Iguassu tem para contar.




Prefeita visita ruínas históricas de N. Iguaçu




Glória Nunes
www.jornalhoje.inf.br
Edição de 30/12/20010

A Prefeita de Nova Iguaçu, Sheila Gama, visitou ontem, acompanhada de vários secretários, as ruínas de Vila de Iguassu, local que deu origem a todos os municípios da Baixada e onde será realizada parte das comemorações pelo aniversário da cidade.


Sheila Gama visita ruínas históricas de Nova Iguaçu

A Prefeita de Nova Iguaçu, Sheila Gama, visitou a área onde estão localizadas as ruínas de Vila de Iguassu, local onde será realizada parte das comemorações de aniversário de 178 anos da cidade no dia 15 de janeiro de 2011. “Nova Iguaçu vai reviver momentos grandiosos de seu passado. Precisávamos resgatar a história para valorizar a autoestima desta cidade”, disse.

Secretários municipais e representantes de entidades históricas e culturais, também acompanharam a visita. Entre os locais históricos foram visitados a torre sineira, o Cemitério de Nossa Senhora do Rosário e o Porto de Iguassu. Uma segunda visita será feita na próxima semana para definição de detalhes do evento.

A programação na área histórica prevê a celebração de missa pelo Bispo de Nova Iguaçu Dom Luciano Bergamin e uma ação social da Prefeitura, com a promoção de diversos serviços como aferição de pressão arterial e taxa de glicose, retirada de documentação e recreação para a garotada.

A área, que é o berço da história de todos os municípios da Baixada Fluminense, também deverá entrar definitivamente no currículo escolar da rede municipal. Segundo a prefeita Sheila Gama é importante que as novas gerações estejam comprometidas com a preservação da memória e dos sítios históricos. “Gostaria que todos os alunos da rede municipal visitassem as ruínas históricas. É emocionante estar em uma vila datada no século XVIII".

Arqueólogos Calazans Rodrigues e Ondemar Dias


IGREJA DA PENHA REVISITADA!


Fotos: Fabiano Rocha/jornal EXTRA de 29/12/2010


Nossa Senhora da Penha de França



No início do século XVII era então este lugar, hoje tão aprazível e poético, uma sesmaria erma e triste, onde uma flora exuberante e baldia abrigava uma fauna diversa e hostil, quando o Capitão Baltazar de Abreu Cardoso ia subindo o Penhasco (lugar elevado e rochoso), para ver a sua grande fazenda, quando de repente lhe aparece uma grande serpente prestes a atacá-lo. Inerte, só, incapaz de defender-se, acode-lhe uma visão de seus lábios irrompe a invocação: "Minha Nossa Senhora Valei-me". Nesse preciso momento surge um lagarto, inimigo das cobras. Travou-se uma luta mortífera entre os dois animais, Baltazar, por sua vez, não perdeu tempo e fugiu.

Depois de ter refeito as forças e ter respirado fundo, Baltazar, reconheceu que o aparecimento do lagarto se devia a uma intervenção protetora de Nossa Senhora, a quem ele tinha pedido socorro. Em reconhecimento por tão importante gesto maternal, Baltazar constrói uma pequena ermida com uma imagem de Nossa Senhora, a quem chamou de Nossa Senhora da Penha por se encontrar no alto do Penhasco.

Como a devoção a Nossa Senhora do Alto do Penhasco se foi espalhando e cada vez era maior o número dos fiéis que visitavam a imagem de Nossa Senhora, uns para agradecer e outros para pedir a sua proteção e intercessão, foi criada a Vem. Irmandade de Nossa Senhora da Penha e ampliada a ermida no ano de 1728, sendo também construído um campanário onde foram colocados dois pequenos sinos.

No ano de 1817 ia subindo a pedra um piedoso casal quando a esposa (Maria Barbosa) comentou com o marido que iria pedir a Nossa Senhora da Penha para interceder por eles para que Deus lhe concedesse um filho, visto que já estavam casados há alguns anos e não tinham a alegria de terem filhos.

Dona Maria Barbosa pediu, confiou e prometeu que, se tivesse um filho mandaria esculpir no duro granito do penhasco uma escadaria para facilitar o acesso dos devotos de Nossa Senhora da Penha ao Santuário.

No ano seguinte o casal era presenteado com um lindo filho e no ano de 1819 a escadaria estava feita conforme a temos hoje. São 382 degraus, mais ainda do que os números dos dias do ano, como muitos costumam acreditar.

No ano de 1870, foi demolida a ermida e construído em seu lugar, um novo templo: uma igreja com uma torre e novos sinos. Quando em 1900 foi submetida a nova reforma foram construídas as duas torres que hoje vemos colocados mais sinos.

Fonte: www.cot.org.br/igreja/ns-penha-da-franca.php

 
A FESTA DA PENHA (Rio de Janeiro)


Nas romarias da Penha o elemento predominante foi sempre o português. Desde o período colonial até hoje, a tradição tem sido mantida como uma recordação das festas congêneres da antiga metrópole, notando-se porém que os foliões aqui eram na generalidade filhos do continente.

A essas peregrinações anuais concorria apenas uma certa classe de portugueses incultos, de homens e mulheres destinados a trabalhos rudes, o que não impedia de ser a festa popular da mais útil e opulenta das nossas colônias.

Os brasileiros da localidade ou de pontos mais afastados associavam-se em parte aos folguedos, contribuíam para o culto, formando-se muitas vezes grupos em separado no arraial – já de portugueses entre si, já de nacionais.

O que cumpre acentuar é que a iniciativa, o aparato, o entusiasmo, a verdadeira característica (e por isso tem durado), não nos pertenciam.

A romaria da Penha era estrepitosa e alegre. Basta especificar a classe que fornecia os romeiros do primeiro plano para compreender-se que as profanações e os desvios não marcavam as intenções religiosas, que ficavam intactas.

A festa e a peregrinação tinham seus preâmbulos, seus comemorativos, dando margem a estabelecerem-se semelhanças com as nossas ou palpitantes diferenciações.

Com os repiques das novenas anunciavam-se os preparativos.

Antes mesmo, viam-se pelo mato lenhadores que, por mando dos festeiros, cortavam longas varas, despiam-lhes as folhas, aparelhavam para o fabrico das tendas e barracas, paus de bandeira e galhardetes, habituais aos festejos.

De nove dias com antecedência, porém, era que tudo se dispunha, se aprontava com a urgência precisa e o capricho reclamado pela pomposa romaria, cuja fama tradicional aumentava-lhe a influência.

Como por encanto o pitoresco arraial transformava-se; o garrido templo enfeitava-se com esplendor; era lavado em toda a sua extensão para realizarem-se promessas; e as casas dos romeiros, à esquerda da escadaria de pedra, começavam a receber trastes e objetos dos alugadores múltiplos, que obtinham as chaves por valiosos empenhos.

Na sacristia da formosa igreja o sacristão andava numa roda viva. Corria daqui para acolá, já atendendo aos portadores de promessas, já colocando em seus devidos lugares os milagres de cera, de ouro e de prata, as velas e painéis votivos que a gente da redondeza trazia nas vésperas do dia solene.

No arraial, de sol a sol, trabalhava-se sem tréguas, sem descanso. As barracas de comidas e bebidas como que brotavam da terra, surgiam umas após outras, debaixo das copadas mangueiras do terreiro e ao longo da estrada. Adornadas de bambinelas cobertas de aniagem, enfeitadas de folhas verdes, do teto balançavam escolhidas amostras dos gêneros em que negociavam, estendendo-se ao alto da estrada vistosos dísticos, que serviam de reclame ao povo miúdo.

De vez em quando, um molecote ou um preto velho, guiando um carro-de-bois, crescia na estrada, vindo trazer às barracas vinhos e comestíveis, magníficas frutas, ocupando o lugar de honra as saborosas melancias, abundantíssimas na localidade.

Bandeiras troféus, galhardetes, escudos de papelão pintado, porta-girândolas, arandelas e copinhos de cores contornando as árvores, era o que se via com profusão pasmosa, dando ao espetáculo um aspecto magnífico e sem igual nas demais festas.

À missa do domingo que precedia a romaria, homens, mulheres e crianças, cheios de fé, subiam de joelhos a escada estreita aspérrima da Penha, cumprindo sagrados votos feitos à miraculosa Virgem nas horas aflitas da moléstia, do perigo e do infortúnio.

Era belo ver-se a piedade daqueles tempos; comovia até às lágrimas aquela procissão de escravos e senhores, de deformados e infelizes, cada um com sua oferenda, povoando por longos dias os degraus de pedra que conduziam à casa de Deus, indo render graças à Senhora da Penha, porque lhes trouxera a serenidade nos sofrimentos e o remédio a seus males.

Eram tantos os que deixavam uma lembrança palpável de seu extraordinário poder!... Quantos quadros representando curas milagrosas, navios escapos ao naufrágio e centenas de outros prodígios lá estão para atestar que a ciência humana não vale uma sombra de confiança na misericórdia divina!...

A igreja conservava-se aberta dias inteiros, ao passo que outros preparativos para a romaria executavam-se na cidade e nas povoações circunvizinhas ou remotas.

Unido ao espírito altamente religioso, o elemento popular estava em cena do modo mais franco e significativo.

Em Inhaúma, na Pavuna, em Irajá, em Meriti, em Campo Grande, na Ilha do Governador, etc., os fazendeiros e suas famílias, os pequenos lavradores e os escravos suspiravam pela função.

Os pescadores amarravam à praia as suas canoas e faluas; os lanchões e os barcos a vapor achavam-se designados e os lindos cavalos de sela, ferrados e tratados, aguardavam o momento da viagem à Penha.

Com uma abóbada de esteiras novas os carros-de-bois descansavam nos terreiros o varal e a canga; e os moleques e meninos brincavam ensaiando-se para a jornada.

Na cidade, as vilas e cortiços andavam numa dobadoura. As Marias e os Manéis esqueciam-se das tinas de roupa e das carroças, tirando das arcas as arrecadas de ouro, que escovavam, e os uniformes brancos, que estendiam sobre cadeiras ou penduravam nas cordas para arejar.

Desde à véspera o movimento local fazia-se notar. Chegavam à Penha famílias da roça, as casas dos romeiros estavam repletas, os foguetes estouravam de instante a instante, e à noite a igrejinha embandeirada, iluminados a fachada e o gradil do mirante circular, avultava à léguas, refletindo na calva da rocha borboletas de luz, pousadas ou alígeras.

No almejado dia, logo ao amanhecer, em Maria Angu e Fazenda Grande, especialmente, desembarcavam inúmeras pessoas da cidade, turbilhões de roceiros tafulos, gente enfim para assistir à festa, trazer promessas, divertir-se. Da varanda aérea do templo o mais belo panorama desdobrava-se às vistas do espectador maravilhado, pois a variedade das cenas não tinha termo, cada qual mais original e interessante.

No mar as canoas e embarcações ligeiras desfloravam garbosas as ondas tranqüilas; os remos espelhavam ao sol rompendo d’água; os vivas e a foguetaria feriam o éter sonoro de cantigas; e os lenços brancos agitavam-se de uma para outra banda, ao alarido dos romeiros que saltavam em terra.

Nas estradas de rodagem, na rede dos caminhos, carros-de-bois rangiam, conduzindo famílias; lustrosas cavalgadas trotavam largo; caminheiros sem conta marchavam fatigados suarentos e empoeirados.

No Pedregulho e nas ruas mais próximas à passagem obrigada aos sítios da Penha, só se viam espectadores atentos ao desfilar dos romeiros, especialmente da portuguesada festiva que seguia da corte em carruagens enfeitadas, em carroções e andorinhas tiradas a duas parelhas, em cavalos magros e de aluguel.

- Viva a Penha!...Viva a Penha!...Eram as vozes que enchiam desde às nove horas as ruas da cidade, ao desconcerto de uma música importuna e continuada, ou à cadência de rabecas, violas e pandeiros acompanhando trovas populares.

Nisso aparecia uma andorinha a galope, guarnecida de apanhados de fazenda de cores, verdejante de folhagens, com os animais enfeitados de rosas de pano na cabeçada, conduzindo foliões de ambos os sexos, vestidos de branco, de chapéu de palha desabado e flamejante de fitas.

Os rapazes ostentavam a tiracolo enorme e pesado chifre chapeado de prata e cheio de vinho; no braço enfeitavam as clássicas roscas da romagem, secundados pelas rechonchudas e afogueadas Marias Rosas, que, adiantando-se, pendidas para fora, arrebatadas pela velocidade e juntando as mãos à boca, gritavam: - Viva a Penha!

E os foliões, de pé, agitando os braços, crescendo de todo o corpo, respondiam no mesmo diapasão: - Viva a Penha!

Mais de espaço, um, dois, três, muitos outros carros, aqui e além, partiam na mesma direção, molhando o Sor Zé ou o Sor Antônio a palavra vibrante com um gole da boa pinga, e as suas companheiras igualmente.

Em meio da excursão o entusiasmo atingia a seu auge, e o fadinho ou a caninha verde faziam-se ouvir, quebrando a monotonia da romagem.

E a rabeca e a viola, tangidas por mãos afeitas, davam o tom a descantes pátrios, sempre bonitos, apesar de incultos.

Ó minha canina berde,

Ó meu santo de padrão,

Por amor de uma menina

Fui cair no alçapão.

Cana berde salteada,

Salteada é mais bonita,

Pra cantar a cana berde

Não se quer folhos de chita.

Fui-me ao Porto, fui-me ao Minho,

De caminho para Braga,

Dizei-me, minha menina,

Que quereis qu’eu de lá traga.


Dos cercados as moças davam gostosas risadas, cochichavam, comentavam as toilettes; os meninos e os moleques atiravam olhares cobiçosos para as roscas, enquanto os patuscos, levantando a perna, galhofando, declamando, emborcavam os chifres que voltavam enxutos.

Solitário em seu pangaré, escanchado, apegando-se com freqüência ao Santo Antônio do selim, de quando em quando um romeiro atravessava a cena, com o mesmo vestuário e acessórios.

Pacato e despretensioso, as suas aspirações eram unicamente apercebidas pelos "vivas à Penha", que soltava raros, aos solavancos do cavalo tardo e desobediente.

A romaria era esplêndida...

Pelas duas horas da tarde, a festa estava em meio; os ranchos acampados nas ondulações vastas, à sombra das mangueiras.

Encostados às vendas e às barracas, foliões que apeavam das andorinhas e muitos dos que lá se achavam, preludiavam as suas toadas, suas danças nacionais, pulando logo após no caminho. E a cana-verde, a chama-rita, o fadinho, o vai-de-roda ferviam sapateados, não sendo dispensados os desafios graciosos e brejeiros.

O mulherio saracoteava, batia palmas a compasso, pinoteava com seus pares, alguns dos quais, um tanto chumbados, esfregavam as primas da viola, davam breu nas cordas da rabeca, palheteavam os cavaquinhos, recomeçando trovas e dançados, emendando a roda:


Chama-rita de meu peito,

Quem quer bem tem outro jeito...


Os comes e bebes em esteiras desdobrados sob os arvoredos, na relva e nas barracas, as saúdes amistosas trocadas nos círculos de famílias e peregrinos que se divertiam de modo mais calmo, difundiam-se pelo acampamento em regozijo, prolongando-se até mais tarde.

Os carros tirados por juntas de bois avançavam nas estradas trazendo festivos matutos. As crioulas baianas sambavam debaixo das mangueiras aromáticas e embandeiradas dos panos-da-costa que suspendiam aos galhos, e os veículos de toda a espécie sulcavam as trilhas com os impagáveis e entusiásticos protagonistas da jornada da Penha.

Finda a cerimônia religiosa da manhã, principiava a debandada. Os acampamentos levantavam-se progressivamente, e, pela tarde adiante, as andorinhas, os carros enfeitados e os cavaleiros caricatos faziam sua entrada na cidade, entre "vivas" e incrível alvoroço.

Cada romeiro empunhava o seu registo de Nossa Senhora da Penha, ostentando uma verônica pregada no peito de casaco branco.

No Arraial da Penha, por ocasião do Te-Deum, a nossa gente cantava ao largo as suas tiranas.

Trovadores dos sertões do Norte achavam-se naquelas paragens, muitos deles mulatos e crioulos escravos.


Aqui, era uma quadrinha improvisada à viola e alentada de ciúme:



Eu tomara me encontrá,


Com Manué Passarinho!...


Que quero cortar-lhe as asas,


Tocar-lhe fogo no ninho...




Mais longe, uma despedida, um debruçar d’alma no passado, um verso plangente e dolorido:




Vou-me embora, vou-me embora,


Como se foi a baleia,


Levo penas de dexá


Marocas na terra aeia




E lá para as bandas de São Cristóvão, montado num burro de carroça, estafado e manco, zabumbando-lhe com os calcanhares na barriga, sumindo-se na treva, o último Abencerrage, arrancando de dentro um – viva à Penha! – mastigava para distrair-se quadrinha simples e expressiva:



Dizes que viva Lamego,


Viva também Lameguinho,


E viva a terra do Porto


Onde se bebe o bom vinho.



Às cusparadas de fogo da locomotiva, a clássica romaria da Penha tem perdido parte de seu caráter devoto e de sua antiga influência.

Entretanto muitíssimos são ainda os romeiros que afrontam mesmo a pé, léguas e léguas de distância, no arriscado das matas, fiéis à tradição.

Como romaria popular é a única que ainda se conserva no Rio de Janeiro.

Representa no ideal o tipo de certos costumes coloniais, modificados nas províncias, outrora, quando o nativismo era uma virtude e este país o Brasil.

(MORAES FILHO, Melo. Festas e tradições populares do Brasil)

Fonte: www.jangadabrasil.com.br/outubro14/fe14100a.htm

Trem sucata da Supervia na Avenida Brasil

Fonte: jornal EXTRA de 29/12/2010

C A F É C U L T U R A L

CHAFARIZ DAS SARACURAS - Ipanema, Rio
Chafariz das Saracuras, de Mestre Valentim, na Praça General Osório, volta a ter ornamentos



Publicada em 13/06/2008 às 19h28m - O Globo Online


RIO - A secretaria municipal de Meio Ambiente concluiu a restauração e reinaugurou nesta sexta-feira o Chafariz das Saracuras, de autoria de Mestre Valentim, na Praça General Osório, em Ipanema. A obra, no valor de R$ 180 mil, devolveu ao monumento suas dimensões originais e seus ornamentos em bronze - tartarugas e saracuras - roubados em 2006.
Durante a inauguração, moradores e alunos da E. M. Marília de Dirceu participaram de oficinas educativas de incentivo à preservação ambiental e respeito ao patrimônio público e cultural. Técnicos da secretaria destacaram a importância de resgatar a memória da cidade através da conservação de monumentos como o Chafariz das Saracuras, obra do século XVIII que chega ao século XXI conforme criado por Valentim em 1795, uma verdadeira testemunha das transformações urbanas ocorridas no Rio de Janeiro.

Descobertas levaram à ampliação do projeto

Durante as obras, foram descobertas partes abaixo do nível do solo, cerca de 60 cm escondidos pelas sucessivas elevações da área urbana e, a existência de grandes blocos de pedra ainda intactos. Isso fez com que o projeto tivesse que ser ampliado para a restauração integral do monumento. A idéia inicial era apenas recuperar a bacia em cantaria e reparar os equipamentos elétricos e hidráulicos.
A nova proposta inclui a confecção de réplicas das peças roubadas anteriormente e a criação de peixes no local. O símbolo da coroa portuguesa em mármore de Lioz e as tartarugas e saracuras em cobre voltam a verter água e o deque sobre o espelho d'água foi removido para proteger as peças. O Chafariz das Saracuras poderá ser apreciado nos horários das 8h às 10h, das 12h às 14h e das 18h às 20h. A aeração da água é vista também como uma forma de impedir a formação de focos de mosquitos.

A história do chafariz

O Chafariz das Saracuras é uma obra do Mestre Valentim, feita em 1795, época do Brasil Colônia. Ela foi transferida em 1917, do Convento da Ajuda, no Centro, para a Praça General Osório, em Ipanema. A peça, utilizada pelas freiras para lavagem de roupas, louças e abastecimento do convento, foi tombada pelo IPHAN em 1938. Originalmente tinha a bacia de cantaria ornamentada por quatro tartarugas e quatro saracuras de bronze.
Em 1998, as tartarugas foram roubadas, o que levou a prefeitura a recompor o monumento com réplicas confeccionadas a partir de fotos das originais. Em 2006, em novo ataque, uma tartaruga e uma saracura foram roubadas. O restante dos ornamentos foram encontrados dentro de um saco, num canto escondido do jardim e foram encaminhados à guarda da Fundação Parques e Jardins.

* Matéria publicada no site www.oglobo.globo.com/rio/mat/2008/06/13/chafariz_das_saracuras_de_mestre_valentim_na_praca_general_osorio_volta_ter_ornamentos-546789828.asp



Conjunto Urbano da Vila de Iguassu-Ofício INEPAC para o AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL


Vila de Iguassu-década de 1970-acervo do Arquivo Histórico da Diocese de Nova Iguaçu


LANÇAMENTO DE LIVRO - C O N V I T E


Em parceria com o FÓRUM CULTURAL DA BAIXADA FLUMINENSE, comunicamos o lançamento do livro "UMA VIAGEM A IGUASSU ATRAVÉS DA CARTOGRAFIA", de autoria de Edson Ribeiro, membro fundador e pesquisador do AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL FLUMINENSE, a ser realizado no sábado de 04 de dezembro de 2010, no Auditório do MERITI-PREVI, em Vilar dos Teles, São João de Meriti.

O evento contará com a realização de duas palestras e apresentações culturais por artístas da Baixada Fluminense. Enviaremos nos próximos dias os convites por e-mail. Solicitamos que ao recebê-los e puderem comparecer, por favor, envie-nos uma mensagem ou nos telefone confirmando presença.

Cordialmente,

Paulo Clarindo
AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL FLUMINENSE
(21) 9765-6038 ou 2333-1412 ou 2656-9810
amigosdopatrimonio@gmail.com
www.amigosdopatrimoniocultural.blogspot.com
Atualizando nossos contatos:

amigosdopatrimonio@gmail.com

CLARINDO
(21) 9765-6038 ou 2333-1412 ou 2656-9810

EDSON RIBEIRO
(21) 98623036

Professor LACERDA
(21) 9569-0938

VICTOR ANTUNES
(21 9969-4555

Professor GUILHERME PERES
(21) 9392-2669

FÁBIO SOUZA
(21) 8817-8813 ou 7510-9333 ou 9847-8111

FURMAN
(21) 9251-4753

JUBER DECCO
(21) 9634-3163

NELSON ARANHA
(21) 9998-3197

EDGAR CARVALHO
(21) 9230-6760 ou 7158-1588
Rio de Janeiro – A vida na belle époque carioca



A arte marca presença no Palácio das Laranjeiras, por onde passaram de líderes da política mundial a cantores da bossa nova



Neste palácio carioca bem século 19, onde estilos se misturam, do Luís XIV ao rococó e do Império ao art nouveau, inspirado no Cassino de Mônaco de Charles Garnier (o arquiteto da Ópera de Paris), muito de nossa história republicana foi vivida, escrita e desenhada. Hoje, o Palácio das Laranjeiras é um bem tombado pelo Patrimônio Histórico do Estado do Rio de Janeiro.

Suas fachadas, salões e varandas, com vitrais coloridos de Charles Champigneulle, frisos de mármore com desenhos de bronze, pisos de mosaico com arabescos, lambris marchetados, colunas de mármore rosa da Holanda, candelabros de ferro fundido, guarda-corpos de ferro forjado, estátuas de Emile Guillaume, medalheiros (cômodas altas e menos profundas) de André Charles Boulle, o ebanista de Luís XIV, e uma cópia da escrivaninha que foi de Luís XV em Versalhes, nos transportam à belle époque e a um clima típico fin de siècle.

Ali, entre paredes e tetos com afrescos de Georges Picard, pinturas de Frans Post e Nicolas-Antoine Taunay, um retrato de Luís XIV feito por Hyacinthe Rigaud e outro do Conde de Londres por Joshua Reynolds, dormiram e foram velados presidentes da República, hospedaram-se autoridades estrangeiras, assuntos de Estado foram discutidos e também muito se jantou e se dançou.

Foi no Laranjeiras que o vice-presidente Café Filho se refugiou quando Vargas se matou; e onde Juscelino morou enquanto Brasília era construída. Já João Goulart instalou por lá um consultório odontológico e viveu a angústia de seus últimos dias antes do golpe militar. Na sala Regência, Costa e Silva anunciou, em 1968, o AI-5, de triste memória, e, um ano depois, no mesmo lugar, teve seu corpo velado. Já Leonel Brizola – que no palácio recebeu índios xavantes encantados com o que viam – reclamava dos bois representados nas pinturas murais por não se parecerem com os de sua fazenda no Uruguai.

Mistura de gêneros. O palácio foi construído nas primeiras décadas do século 20 pelo empresário Eduardo Guinle ao sopé de uma colina que desliza em direção ao mar, em terras que, em 1808, Carlota Joaquina comprou e não pagou –em meados do século 19, elas pertenceram à Inglaterra, mais tarde ao Conde Sebastião do Pinho e, finalmente, no início do século 20, passaram às mãos de Eduardo Palassin Guinle. Os Guinles, de origem e hábitos franceses e que se afirmaram no Rio como grandes empresários, iniciaram fortuna vendendo artigos europeus na Rua da Quitanda – onde tinham a loja Aux Tuileries.

Eduardo Guinle, que da Europa onde estudou voltou cheio de ideias inovadoras, convocou para a obra o arquiteto Armando da Silva Telles. Este, apesar de misturar gêneros e épocas, com uma planta bastante funcional, soube dar uma atitude modernista ao imóvel de dois andares e três corpos: central, residencial e de serviço. Ele não dispensou as clássicas escadarias ladeadas por gigantescos leões de mármore e as diferentes fachadas que “olham” para a uma bela vista. Mesmo assim, tratou de adicionar à propriedade um lindo elevador – o primeiro da América Latina –, geradores, estufa e um recinto para preservação de mantimentos.

Eduardo casara-se em 1905 com Bianca de Paula Ribeiro, que, depois da morte do marido, em 1942, seguiu, com alguns de seus filhos, vivendo no palácio até 1946, quando o presidente Dutra o adquiriu para a Nação por 27,5 milhões de cruzeiros (moeda criada um ano antes).

Como o governo já tinha o Palácio do Catete, o Laranjeiras, com seus telhados decorados com quimeras e águias de bronze em cada esquina, jardins com fontes e estátuas imortalizando deuses mitológicos, foi destinado à hospedagem de autoridades estrangeiras. O presidente do Chile, Gabriel González Videla, em 1947, foi o primeiro visitante oficial recebido no ainda chamado Palácio Guinle. Além de cumprir os rituais de praxe, como oferecer um jantar ao presidente brasileiro, recebeu para um baile a sociedade local. De acordo com os jornais da época, as mulheres não economizaram nos brilhantes, rendas e veludos, mas dias depois foi preciso o Itamaraty publicar um apelo “às pessoas que, por engano, levaram peles e manteaux trocados, no sentido de que sejam devolvidos às proprietárias”. A mesma nota advertia que ninguém tentasse usar ou vender os agasalhos desaparecidos, pois a polícia e as lojas especializadas já haviam sido notificadas.


Atrás de orquídeas. Harry Truman, o presidente dos Estados Unidos que veio ao Brasil difundir sua doutrina contra o avanço do comunismo, foi a segunda autoridade estrangeira a dormir no palácio. Em foto do acervo da Biblioteca Truman nos Estados Unidos, ele ali aparece, ao lado de Dutra, sob o retrato de Luís XIV – o símbolo do absolutismo francês. Faz parte do anedotário que, encantado com nossas orquídeas, ele resolveu subir atrás delas a encosta do Corcovado, sendo detido por guardas florestais que não o reconheceram.

Meses depois, chegaria o governador geral do Canadá, um marechal inglês. Em 1953, foi a vez do ditador do Peru, Manuel Arturo Odría, conhecido como o “Perón dos Andes”, que depois surpreenderia a todos ao convocar eleições em seu país. Devido a uma greve de garçons, a festa que ele ofereceu a Getúlio Vargas não teria se realizado sem o socorro dos taifeiros e cozinheiros da Marinha. Anastasio Somoza, da Nicarágua; Camille Chamoun, do Líbano; Craveiro Lopes, de Portugal; Charles de Gaulle, da França, e o Papa João Paulo II estão entre os muitos outros que ali foram recebidos.

Anos de fato dourados no palácio foram os de JK. Nos inícios da bossa nova, Benê Nunes, Nat King Cole, Louis Armstrong, The Platters, Pixinguinha e Ataulfo Alves tocaram, cantaram e se encantaram com o piano de cauda Steinway, pintado por Aristide Cavaillé que tem pés de talha dourada e fica no centro do salão de música. Kim Novak, Marlene Dietrich, David Niven, Fidel Castro, apesar da suntuosidade do décor, ali também se sentiram à vontade.

Durante o regime militar, o Laranjeiras foi a residência oficial dos presidentes brasileiros no Rio de Janeiro, até que Ernesto Geisel, ao fundir os Estados do Rio de Janeiro e da Guanabara, decidiu transformar o local em residência oficial do governador. Nessa qualidade, o primeiro morador foi o indiretamente eleito Almirante Faria Lima. Chagas Freitas, Moreira Franco, os Garotinhos e Benedita também viveram neste mesmo endereço. Outros governadores, como Marcelo Alencar e, atualmente, Sérgio Cabral, preferindo seguir em suas casas próprias, mantiveram o palácio à disposição do presidente da República.


Estas e outras histórias estão no belo livro Palácio das Laranjeiras, editado pela Topbooks (247 págs., R$ 119), com fotos de Pedro Oswaldo Cruz e textos de Beatriz Coelho Silva e Christine Ajuz, por encomenda do governador Sérgio Cabral, que, no prefácio, além de fazer justiça ao rigoroso trabalho de restauração realizado por dona Zoé Chagas Freitas em 1980, promete que, durante sua gestão, o palácio será “palco somente de eventos que, de fato, honrem a liberdade e os valores democráticos”. ( www.mariaignezbarbosa.com ).

Fonte: www.defender.org.br/rio-de-janeiro-a-vida-na-belle-epoque-carioca/

Nossos contatos:


CLARINDO (Amigos do Patrimônio Cultural)


(21) 9765-6038 ou 2261-0012 ou 3880-4257 ou 2656-9810
C O M U N I C A D O   U R G E N T E


V I L A   D E   I G U A S S U

Ruínas de Iguaçu Velha, setembro de 2010-acervo: CLARINDO

Prezados amigos.


Informamos que devido à insistente greve dos bancários, que pode estar dificultando o público de efetuar o depósito da inscrição, aceitaremos o pagamento da mesma no dia do evento - 16/10/2010 (sábado).

Segue abaixo nosso convite para o "PASSEIO HISTÓRICO-CULTURAL PELO SÍTIO HISTÓRICO E ARQUEOLÓGICO DA EXTINTA VILA DE IGUASSU E ADJACÊNCIAS", que será realizado no sábado de 16 de outubro, das 8h30 às 17h30. Para maiores informações, leiam o nosso convite abaixo ou acessem nosso blog: www.amigosdopatrimoniocultural.blogspot.com.





Cordialmente,






C L A R I N D O


AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL


amigosdopatrimonio@gmail.com


www.amigosdopatrimoniocultural.blogspot.com


(21) 9765-6038 ou 2261-0012 ou 3880-4257 ou 2656-9810
Razões do ADIAMENTO do Passeio Histórico-Cultural pela Extinta Vila de Iguassu e adjacências


Prezados amigos.




Devido à intensa chuva que caiu sobre a Baixada Fluminense na última terça feira, lamentavelmente nos vimos obrigados a ADIAR o PASSEIO HISTÓRICO-CULTURAL PELO SÍTIO HISTÓRICO DA VILA DE IGUASSU E ADJACÊNCIAS para o dia 16/10 (sábado), no mesmo horário e local de partida. Contamos com a compreensão de todos. Aguardamos pela confirmação das inscrições dos que puderem continuar conosco. Quem efetuou depósito bancário e não puder participar na data que agora divulgamos, entraremos em contato para providenciar a imediata devolução dos valores recebidos.


Outro problema que estamos enfrentando é a insistente greve dos bancários, que atrapalhou muitas pessoas na hora da inscrição. Esperamos que a greve termine na próxima semana. Caso a mesma persista, tomaremos as medidas necessárias visando facilitar as inscrições dos interessados no evento. Pedimos a gentileza de entrarem em contato conosco para confirmação todos aqueles que manifestarem o desejo de participar do passeio histórico-cultural. Reiteramos que a nossa proposta é uma oportunidade de conhecer alguns sítios históricos e arqueológicos sob uma visão diferenciada do tradicional. Será um passeio imperdível pela história do berço da Baixada Fluminense. Não perca esta oportunidade. Maiores informações abaixo.


PASSEIO   HISTÓRICO-CULTURAL   PELA   EXTINTA VILA DE IGUASSU E ADJACÊNCIAS


Dia 16 de outubro de 2010 - Sábado


Horário: das 8h30 às 17h30


Saída do Arquivo Histórico da Cúria Diocesana de Nova Iguaçu, no bairro Moquetá (este bairro fica atrás do Cemitério de Nova Iguaçu. A Cúria Diocesa fica ao lado do SESC-NOVA IGUAÇU), Rua Dom Adriano Hypólito, 08 - Moquetá.

Investimento: R$ 30.


Como efetuar sua inscrição:


Por depósito bancário - Banco: Itaú (341), agência: 6158, c/c: 02085-6, nome: Paulo Clarindo.

No Arquivo Histórico da Diocese de Nova Iguaçu (procurar o professor LACERDA).

Professor Lacerda: 2767-7943 (ramal 232) ou 9569-0938

Oferecemos: ônibus especial, água gelada, lanche e material impresso.

Confirme   sua  vaga  pelos  telefones:  9862-3036 (Edson) ou 9765-6038 / 2656-9810 / 2261-0012 / 3880-4257 (Clarindo).
 
Cordialmente,
 
C L A R I N D O



AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL


amigosdopatrimonio@gmail.com


www.amigosdopatrimoniocultural.blogspot.com


(21) 9765-6038 ou 2261-0012 ou 3880-4257 ou 2656-9810
O GRUPO “AMIGOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL”

CONVIDA
    EXCURSÃO “VILA DE IGUASSU”, UM NOVO OLHAR"
Torre da Igreja de N. S. da Piedade de Iguassu-Agosto 2010-acervo Clarindo

 
Venha participar. São novas concepções que fazem refletir sobre o que sabemos até hoje. Novas ruínas identificadas e um olhar diferenciado sobre os diversos aspectos. Conheceremos a Fazenda da Olaria, o Engenho do Camarista, vários portos, poços, a provável cadeia mais antiga da Vila, a suposta Câmara, o Rancho do Benfica (tão falado por Saint-Hilaire), etc.
 
Cemitério de Iguassu-paroquianossasenhoradaconceicaotingua.blogspot

Data: 02 de outubro de 2010 (sábado)

Horário: 8:30 às 17:30

Cemitério de Iguaçu Velha-Julho 2010-acervo Clarindo



Local de saída: Arquivo da Cúria Diocesana de Nova Iguaçu (ao lado do SESC) – Bairro Moquetá

Custo: R$30,00

Oferecemos: ônibus especial, água gelada, lanche e roteiro escrito
 
Reservar a  vaga  por  telefone:  9862-3036 (Edson) ou 9765-6038 (Clarindo).

Efetuar o pagamento antecipado (até o dia 27/09) - direto no Arquivo da Cúria Diocesana de Nova Iguaçu (Lacerda) ou por depósito Banco: Itaú (341), agência: 6158, c/c: 02085-6, nome: Paulo Clarindo)
 

Vila de Iguaçu-década de 1970-acervo do Arquivo Histórico da Diocese de Nova Iguaçu


VAGAS LIMITADAS
 
amigosdopatrimonio@gmail.com
www.amigosdopatrimoniocultural.blogspot.com